quinta-feira, 29 de abril de 2010

segunda-feira, 26 de abril de 2010

EASY MONEY de Jens Lapidus (Casa das Letras)


“A ambição embriaga mais do que a glória” Marcel Proust


Antes de mais quero avisar os meus potenciais leitores que esta semana a sugestão foi trocada. O responsável islandês, o tal vulcão de nome impronunciável, adiou-me uma viagem por quase uma semana o que me transtornou as leituras. Nada grave. O que é certo, é que desta vez o livro desta semana foi mesmo comprado no aeroporto. Para quem tem preconceitos com as chamadas “livrarias de aeroporto” não será um bom cartão de visita, mas para mim vinha “a talho de foice”. Passo a explicar. É que este autor também é Sueco, a história também é passada sobretudo em Estocolmo e pareceu-me bem, já que estive mergulhado ultimamente na trilogia Millennium de Stieg Larsson, levar adiante o meu conhecimento dos autores policiais suecos. Reconheço que até à data apenas o nome de Henning Mankell me dizia alguma coisa, mas dele falaremos em futuras oportunidades. Este Easy Money, ou Snabba Cash no original, é um verdadeiro romance policial. Tem estrutura, uma estória perfeitamente credível, uma cadência vigorosa. É descritivo, brutal por vezes, como todos os bons policiais. Todo ele rola à volta do submundo do crime sueco, dos gangues e das suas teias criminosas, que relata com pormenor.Descreve três personagens principais, que se vão encontrando de forma muito bem construida ao longo da narrativa, juntas no enredo pelo tráfico de cocaina. JW, o jovem arrivista, com todos os sonhos e ilusões de grandeza, a agarrar a oportunidade que o tráfico e o dinheiro lhe estão a dar e a tentar resolver o enigma do desaparecimento da sua irmã Camilla. Mrado, o brutal sérvio, capaz de matar, mutilar e espancar sem a minima hesitação, que sonha com o dia em que será finalmente e só um bom pai para a sua filha e Jorge, o emigrante chileno, evadido da prisão e com nova identidade à procura de vingança contra os que o trairam. É um bom livro, daqueles que se lêem com sofreguidão até às ultimas linhas. E a verdade, devo dizê-lo, é que da Suécia tem-nos chegado coisas boas. Poderá dizer-se que são um bocado como o IKEA, são bem desenhadas e nem sempre tão fáceis de montar como parecem, mas são policiais a sério. Prometo que para a semana abandono o género. Boas Leituras!

PARA A SEMANA: A ARTE DA ALEGRIA de Goliarda Sapienza (D. Quixote)

NA MESINHA DE CABECEIRA:

Continuam:

INÉDITOS de Antoine de Saint Exupéry (Casa das Letras)

BIBLIOTECA DE ALEXANDRIA de Pablo de Jevenois (Esquilo)

O MONTE DOS VENDAVAIS de Emily Bronte

CRÓNICA DO PÁSSARO DE CORDA de Haruki Murakami (Casa das Letras)

OS ANAGRAMAS DE VARSÓVIA de Richard Zimmler

terça-feira, 20 de abril de 2010

A RAINHA NO PALÁCIO DAS CORRENTES DE AR - Millennium III de Stieg Larsson (Oceanos)

"Por vezes, somos tão diferentes de nós mesmos como dos outros” François La Rochefoucauld

Ao longo de 720 páginas avançamos para o final desta obra, que, com grande pena de todos os “aficionados”, fica inacabada. Do primeiro para o segundo volume, identificamos claramente duas estórias distintas, dois livros separados. Não é agora o caso, o terceiro volume continua a narrativa do segundo, sem paragens. Não é um livro para ler sem se ter lido o anterior. Como se diz nos bons policiais, “ a trama adensa-se”, agora entram todas as personagens que vimos formar nos anteriores dois capitulos. Lisbeth Salander, ferida com gravidade, vê a sua situação complicar-se, vai contar com a ajuda de Mikael Blomkvist, de Dragan Armanskij e de outros, mas as forças que a perseguem tem motivos poderosos para a querer silenciar. O caso pode abalar a própria estrutura das instituições do estado Sueco. E uma secção muito particular da “Sapo”, a Policia do Estado, vai tentar tudo se defender. Reforço aqui a minha sugestão para que se deixem entrar neste mundo muito particular criado por Stieg Larsson. Li os três livros avidamente. De seguida. Sei que nem toda a gente tem particular apetência por romances policiais, mas estes são de uma intensidade perturbadora, tem uma carga psicológica fortíssima e mais do que fazer a distinção habitual entre bons e maus, diluem os conceitos. Aqui, mais do que os vilões evidentes, como o caso de Zalachenko (pai de Lisbeth) é a própria estrutura do Estado que se põe em causa. A análise das estrutura de controle democrático suecas são dissecadas ao pormenor, ao que não é alheia a própria biografia do autor. Stieg larsson, antes de ser conhecido como romancista e ter atingido este espectacular exito póstumo, tornou-se conhecido pelas suas posições de luta contra grupos neo-nazis e de extrema direita na Suécia, tornando-se um especialista na matéria, e tornando-se ele prórpio e a sua companheira Eva Gabrielsson alvos desses sectores nos ultimos anos da sua vida. São bons livros sob qualquer ponto de vista. Pena que tenha sido interrompida a série pela infeliz e prematura morte do autor.Boas Leituras!

PARA A SEMANA: A ARTE DA ALEGRIA de Goliarda Sapienza (D. Quixote)

NA MESINHA DE CABECEIRA:

Continuam:

A RAINHA NO PALÁCIO DAS CORRENTES DE AR Millennium III de Stieg Larsson (Oceanos)

INÉDITOS de Antoine de Saint Exupéry (Casa das Letras)

BIBLIOTECA DE ALEXANDRIA de Pablo de Jevenois (Esquilo)

O MONTE DOS VENDAVAIS de Emily Bronte

CRÓNICA DO PÁSSARO DE CORDA de Haruki Murakami (Casa das Letras)

OS ANAGRAMAS DE VARSÓVIA de Richard Zimmler

quinta-feira, 15 de abril de 2010

A RAPARIGA QUE SONHAVA COM UMA LATA DE GASOLINA E UM FÓSFORO Millennium II de Stieg Larsson (Oceanos)

“A perversidade é um dos impulsos primitivos do coração humano” Edgar Allan Poe

Mikael é a personagem principal, Lisbeth Salander é a mais interessante. Se se recordam da minha sugestão da semana passada, assim caracterizei as personagens centrais do triptico Millennium, de Stieg Larsson. E neste segundo volume, tudo o que nos era indiciado no primeiro livro se confirma. Ainda neste segundo andamento destes notáveis policiais, Lisbeth Salander emerge como uma personagem muito mais definida, e é atravez do passado de Lisbeth que vemos desenrolar um enredo de mistério e suspense de leitura absolutamente viciante. A estória leva-nos a um triplo assassinato em que tudo aponta para que seja Lisbeth a culpada. Num registo de escrita absolutamente hipnotizante, vamos entrando cada vez mais no universo destas personagens de Stieg Larsson. Na minha opinião Lisbeth Salander das maiores criações da literatura policial do novo milénio. É uma personagem absolutamente inconfundível, original e extremamente bem caracterizada. Estou pois preparado, para entrar na leitura do terceiro, e, infelizmente, ultimo livro desta prodição genial de Stieg Larsson. Com um inicio fulgurante, com uma continuação que é ainda melhor do que o primeiro capitulo (se é que assim lhe podemos chamar) tenho as mais altas expectativas para o fecho destes policiais. Peço a vossa paciência para a minha insistência nestes livros, mas de facto estou a ter um prazer muito particular (se bem que partilhado por milhões de leitores em todo o Mundo) em acompanhar o crescimento deste ambiente criado para estas personagens fascinantes. Assim, para a semana espero estar em condições de fazer a avaliação global desta obra singular, que, pelo andamento até agora, me tem agradado imenso. Boas Leituras!

PARA A SEMANA: A RAINHA NO PALÁCIO DAS CORRENTES DE AR Millennium III de Stieg Larsson (Oceanos)

NA MESINHA DE CABECEIRA:

Continuam:

A ARTE DA ALEGRIA de Goliarda Sapienza (D. Quixote)

A RAINHA NO PALÁCIO DAS CORRENTES DE AR Millennium III de Stieg Larsson (Oceanos)

INÉDITOS de Antoine de Saint Exupéry (Casa das Letras)

BIBLIOTECA DE ALEXANDRIA de Pablo de Jevenois (Esquilo)

O MONTE DOS VENDAVAIS de Emily Bronte

CRÓNICA DO PÁSSARO DE CORDA de Haruki Murakami (Casa das Letras)

OS ANAGRAMAS DE VARSÓVIA de Richard Zimmler


sexta-feira, 2 de abril de 2010

OS HOMENS QUE ODEIAM AS MULHERES Millennium I de Stieg Larsson (Oceanos)

“A Maldade bebe a maior parte do veneno que produz” Séneca

De regresso aos policiais com os mais famosos livros dos ultimos tempos, a trilogia Millennium de Stieg Larsson (1954-2004). Estas obras são todas publicadas postumamente. Ainda assim, Stieg Larsson vendeu 12 milhões de cópias destes livros só no verão passado. A intenção inicial era a de escrever 10 livros, ficamos apenas com três, o que, como muitos, também lamento. Há ao que dizem, um quarto exemplar quase acabado, que a viuva Eva Gabrielsson, pelo que pesquisei, não tem intenção de publicar. Os livros introduzem várias personagens interessantíssimas e lêem-se com um agrado muito particular. Para dar algumas “pistas” o que é sempre de bom tom num policial, deixem-me dizer que Millennium é a revista da qual Mikael Blomkvist, a personagem principal é sócio. E a estória começa com Blomkvist a ser condenado por difamação a um grande financeiro sueco, o que lhe vale uma multa e três meses de prisão (entretanto encurtados para dois). É nesta fase que lhe surge um inesperado convite para fazer a biografia dos Vanger, uma familia de industriais suecos, que é, no fundo um pretexto para investigar uma morte ocorrida há mais de 40 anos. É a partir daqui que a trama se adensa, num estilo de escrita descritiva, demorada, e com uma atenção invulgar aos detalhes e pormenores. Se Mikael é a personagem principal, Lisbeth Salander é a mais interessante. Lisbeth Salander é uma personagem invulgar, dificil de descrever nestas curtas linhas, mas é certamente uma das composições mais conseguidas que tenho lido nos ultimos tempos. É uma hacker excepcional, quase cem por cento anti-social, com um perfil psicológico no minimo complicado, mas é ela que dá o “sal” a estes livros. A estória desenrola-se em ritmos diferentes mas mantém o tom hipnótico que nos faz agarrar o livro e não o querer largar até à ultima página. Antes de ler estes livros só sabia que havia uma certa “febre” ou moda à volta deles. Hoje em dia há marketing a mais e literatura a menos na minha opinião, mas estes livros andam acima disso. São excelentes policiais sob qualquer perspectiva, e, para retirar qualquer duvida sobre a minha opinião, já vou a meio do segundo livro enquanto escrevo estas linhas. Boas Leituras!

PARA A SEMANA: A RAPARIGA QUE SONHAVA COM UMA LATA DE GASOLINA E UM FÓSFORO Millennium II de Stieg Larsson (Oceanos)

NA MESINHA DE CABECEIRA:

Continuam:

A ARTE DA ALEGRIA de Goliarda Sapienza (D. Quixote)

A RAINHA NO PALÁCIO DAS CORRENTES DE AR Millennium III de Stieg Larsson (Oceanos)

INÉDITOS de Antoine de Saint Exupéry (Casa das Letras)

BIBLIOTECA DE ALEXANDRIA de Pablo de Jevenois (Esquilo)

O MONTE DOS VENDAVAIS de Emily Bronte

CRÓNICA DO PÁSSARO DE CORDA de Haruki Murakami (Casa das Letras)

OS ANAGRAMAS DE VARSÓVIA de Richard Zimmler