quarta-feira, 21 de novembro de 2012

TEIA DE CINZAS de Camilla Lackberg (D. Quixote)


“Mais penosas são as consequências da ira do que as suas causas” Marco Aurélio


Volto ao mesmo sítio. Invariavelmente. Começo a pensar que há na minha abordagem a livros e autores uma qualquer teoria da conspiração instalada que, de forma mais ou menos consciente me atrai para o romance policial. Também se pode dar o caso, que não é virgem, de, gostando de um livro de um determinado autor me dedicar a descobrir o respetivo “filão literário”. Bem sei que continua a haver muita e boa gente que coloca o género numa prateleira separada daquela que é genericamente denominada de “literatura séria”, ou pelo menos que não gosta de misturar o género. Eu tenho muitas dúvidas a esse respeito, até porque muitos dos melhores livros que li, independentemente da temática principal, tem algo da construção típica da atmosfera policiária. Toda esta abertura da coluna desta semana pode levar a pensar que o livro desta semana é algo de extraordinário ou grandioso. Não. Nem é o que por aqui se pretende. Como tenho vindo a reafirmar algumas vezes, o interessante é para mim partilhar leituras que me agradaram. Independentemente do patamar literário que venha a ser encontrado para a obra em questão. Este livro, de uma autora do espetacular universo de autores de policiais nórdicos. Sim, porque há de facto um viveiro de autores de romances policiais e de mistério nos países nórdicos (e é bastante anterior ao sucesso mundial da trilogia de Stieg Larsson, basta pensar por exemplo em Henning Mankell). Não me cumpre aqui explicar o fenómeno, mas é como “las brujas…que las hay las hay”. E Camilla Lackberg, que é aliás famosa por um livro que ainda não li, leva alto e longe o nome da produção policial sueca, neste e noutros casos. O livro, é bem construído, com um enredo interessante, com um caminho nem sempre fácil e evidente para o desfecho. Pontuado por flashbacks que vão a seu tempo encontrar sentido no desenrolar da história, lê-se muito bem e de forma descontraída. E para o que se pretende com esta coluna, que é promover a leitura, é um conselho e uma sugestão fáceis de dar. Boa semana e, … Melhores Leituras! J

Na Mesinha De Cabeceira:
ULTIMO ACTO EM LISBOA de Robert Wilson (D. Quixote)
PENA CAPITAL de Robert Wilson (D. Quixote)
JONAS VAI MORRER de Edson Athayde (Guimaraes 2012)
UM APARTAMENTO EM ATENAS de Glenway Wescott (Relógio d´Agua)
ATÉ AO FIM 1944-1945 de Ian Kershaw (D. Quixote)
OS COMBOIOS VÃO PARA O PURGATÓRIO de Hernán Rivera Letelier (Ulisseia)
MIRAGEM DE AMOR COM BANDA DE MUSICA de Hernán Rivera Letelier(Quetzal)
A FABULA de William Faulkner (Casa das Letras)
AXILAS & OUTRAS HISTÓRIAS INDECOROSAS de Rubem Fonseca (Sextante Editora)
JOSÉ de Rubem Fonseca (Sextante Editora)

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Jonas Vai Morrer


Escrito pelo Edson Athayde em residência artística durante a Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura e gentilmente enviado pelo meu amigo Rodrigo Viana de Freitas.
Estou curioso....

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

DIÁRIO DE INVERNO de Paul Auster (ASA)


“Se queres um escudo impenetrável, permanece dentro de ti mesmo” Henry Thoreau

Para inaugurar um novo ciclo desta coluna semanal de sugestões que tem a partir de agora o patrocínio e contributo da FNAC, um titulo de um autor que nem sempre é consensual para mim. Que há coincidências é bem verdade, basta atentar no que aqui afirmava a semana passada a respeito das biografias e autobiografias, para se ver que as regras são cada vez menos rígidas e os hábitos cada vez menos o que eram. O livro desta semana, é um diário autobiográfico. E, se é verdade que o género me tem sido um pouco alheio, não é menos verdade que ainda hoje me foi aconselhada uma leitura de uma biografia por um amigo. Mercado não faltará certamente. Mas, e para voltar ao objeto desta coluna, e para reafirmar o seu propósito, não estaria aqui a falar desta obra se ela não me tivesse agradado, e tivesse também dúvidas sobre se agradaria a mais alguém. É uma obra muito, muito interessante. Pode sempre perguntar-se se trata de um verdadeiro diário, se as memórias contadas são as memórias vividas, mas tal como no caso da crónica anterior sobra a obra de Garcia Márquez, estas são excelentemente contadas. Num registo de pequenos fragmentos, tal como as entradas num diário, de forma cronológica e atravessando todos os sítios onde Auster residiu, até se fixar na sua recorrente paisagem de Brooklyn, vamos conhecendo aquilo que o homem por trás do autor nos entende mostrar. E, a fazer fé na veracidade dos relatos, mostra bastante. É um retrato que entra intimidade adentro. Das relações com a família, com as namoradas, amigos, experiencias de vida, relatos mais ou menos detalhados da maturação sexual, de tudo se vai falando. De toda uma construção de uma carreira aqui se escreve. E lê-se com muito prazer. Vou-me repetir, o que aliás não farei certamente pela última vez a respeito deste autor. Paul Auster nem sempre escreve a meu agrado, mas do que gosto, tenho que dizer que gosto muito. E este Diário é um dos raios de sol deste meu particular inverno de leituras. Para quem gosta do autor é fundamental. Um “Must reed”. Para quem não conhece ou gosta…. Acreditem que vale a pena tentar. Boa semana e, … Melhores Leituras! J

Na Mesinha De Cabeceira:
ULTIMO ACTO EM LISBOA de Robert Wilson (D. Quixote)
PENA CAPITAL de Robert Wilson (D. Quixote)
TEIA DE CINZAS de Camilla Lackberg (D. Quixote)
UM APARTAMENTO EM ATENAS de Glenway Wescott (Relógio d´Agua)
ATÉ AO FIM 1944-1945 de Ian Kershaw (D. Quixote)
OS COMBOIOS VÃO PARA O PURGATÓRIO de Hernán Rivera Letelier (Ulisseia)
MIRAGEM DE AMOR COM BANDA DE MUSICA de Hernán Rivera Letelier(Quetzal)
A FABULA de William Faulkner (Casa das Letras)
AXILAS & OUTRAS HISTÓRIAS INDECOROSAS de Rubem Fonseca (Sextante Editora)
JOSÈ de Rubem Fonseca (Sextante Editora)


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

FNAC

A partir de hoje, a minha coluna semanal "Estante Acidental" que vem sendo publicada no jornal "O Povo de Guimarães" há já cento e quarenta e cinco edições, tem o patrocínio da FNAC.
Ao "Povo de Guimarães", à FNAC e sobretudo a quem por aqui vai passando, o meu Muito Obrigado!!!
Os livros abaixo são as primeiras ofertas.





Da Imprensa Nacional Casa da Moeda na FABRICA ASA


VIVER PARA CONTÁ-LA de Gabriel Garcia Marquéz (Dom Quixote)


“Um homem de letras, que não escreve as suas memórias, tem realmente direito a que os outros lhas não escrevam” Eça de Queirós

Um dos géneros que provavelmente menos frequento, dentro das minhas leituras, é, por um qualquer motivo que ainda não consigo identificar, o das biografias. Em conversa com vários dos amigos que comigo partilham o gosto, e também sugestões de leitura, estes parecem ser um tipo de livros que tem de facto alguma simpatia no mercado. Partilhando de início a minha reserva pelo tipo de leitura, não lhe sou completamente estanque. Já tenho lido algumas. Do que tenho lido, prefiro a “subespécie” da autobiografia. Há como em todas as áreas da literatura sempre um intenso debate sobre a maior ou menor veracidade de tudo aquilo que se conta e da forma como se conta. Nada me parece mais normal do que o facto de a revisitação do passado ser feita com base em memórias que são muitas vezes representações mentais que não são rigorosamente o que de facto aconteceu. Continuo a não achar importante. Na literatura, e é bom que o diga desde já, que o livro desta semana é literatura. Não é um diário, ou um registo factual e documental da vida de Gabriel Garcia Márquez, mas sim um espantoso exercício de escrita. É um livro, e aqui gostava de, ao contrário do que afirmei na introdução desta crónica, de o retirar debaixo desse eventual rótulo de autobiografia. Pelo menos na minha opinião, é um excelente romance cujo pano de fundo, por acaso, é a vida recordada do autor. Quem como eu gosta, e muito da obra de Gabriel Garcia Márquez, tem aqui, não só excelentes pistas para muitos dos seus universos particulares de escrita, mas um sinal claro de que o realismo mágico é todo um ambiente que rodeou o autor desde cedo. Acompanhemos portanto Garcia Márquez numa viagem com a sua mãe à sua terra natal para proceder à venda da sua casa de família, para ficar a conhecer toda uma saga e uma galeria de personagens riquíssima, que, repito, por acaso são os parentes do autor. Livro interessantíssimo e, é redundante eu sei, excelentemente construído e escrito. Fundamental na, da e para a obra do autor. Boa semana e, … Melhores Leituras! J


Na Mesinha De Cabeceira:
REVER PORTUGAL de Jorge de Sena (Guimarães)
UM APARTAMENTO EM ATENAS de Glenway Wescott (Relógio d´Agua)
VIVER PARA CONTÁ-LA de Gabriel Garcia Marquez (Dom Quixote)
ATÉ AO FIM 1944-1945 de Ian Kershaw (D. Quixote)
OS COMBOIOS VÃO PARA O PURGATÓRIO de Hernán Rivera Letelier (Ulisseia)
MIRAGEM DE AMOR COM BANDA DE MUSICA de Hernán Rivera Letelier(Quetzal)
A FABULA de William Faulkner (Casa das Letras)
AXILAS & OUTRAS HISTÓRIAS INDECOROSAS de Rubem Fonseca (Sextante Editora)
JOSÈ de Rubem Fonseca (Sextante Editora)