segunda-feira, 10 de julho de 2017

Nonsense

Ao Mário.

Perdoa-me a falta de jeito.

Soube hoje de manhã, ao acordar, com um Atlântico de diferença,  pelo Miguel Carvalho.

Conheci-te na festa de anos anos do Miguel e do Ricardo.
Não quis acreditar.
Mas a verdade é que te vi renascer durante todo o dia, nas palavras de pessoas que gostavam de ti.
Não foi um dia fácil. Sou como tu de 67, sou como tu dos que tem um clube que nunca ganha.
Alimentavas os meus dias à distancia, quase sempre num sopro de inteligência e de boa disposição que me faz muita falta.
Não posso falar dos teus. Não posso e não consigo conceber o vazio que deixas aos que partilhavam os dias contigo. Se me deixarem posso afirmar-me dentro dessa tristeza.
Mas tenho a certeza que, se pudesses, deixarias em poucas linhas um consolo, um abraço, um sorriso e porque não uma gargalhada à filhadaputice que a vida nos fez contigo.
Fizeste os meus dias (e os de muitos) melhores, e isso, meu Amigo, dá à morte um tamanho menor.

Recuso despedir-me, por isso creio que continuo com um jantar marcado contigo e com Amigos.

Com Saudade a sério, repito-me,


És o maior!!!


  

Sem comentários: