quarta-feira, 12 de novembro de 2014

A INCRIVEL VIAGEM DE UM FAQUIR QUE FIXOU FECHADO NUM ARMÁRIO IKEA de Romain Puértolas (Porto Editora)


"Em Portugal a emigração não é, como em toda a parte a transbordação de uma população que sobra; mas a fuga de uma população que sofre." Eça de Queirós

 

Há os chamados “feel good movies”, assim como também há os “feel good books”. Este é claramente um deles. Mais uma vez foi uma escolha por impulso. Achei piada ao título e gostei da capa. O inverso do “nunca julgues um livro pela capa”, dito que se aplica em geral às pessoas, e menos aos livros, como é evidente. Discutia ontem com uma amiga leitora as fases de motivação para ler. Há alturas em que se lê de tudo com menor esforço e outras em que, por acumulação de fatores externos damos por nós a procurar algo que esteja mais do lado do entretenimento do que da arte. Tem-me acontecido. Não me tenho apesar disso arrependido. Alguma ligeireza no registo e menos preocupação com a forma não invalida que se aprenda alguma coisa. Tenho-o dito, e repito com gosto, que o importante é ler, não é exatamente o quê nem quem. É um pouco como a vida, o que realmente importa é vivê-la, e não propriamente o cenário ou as personagens. Até porque, a vida ultrapassa largamente a ficção em quase todos os registos, é só elencar as personagens que se nos atravessam no caminho. Este livro, é garantia de um par de horas bem passadas na improvável e fantasiosa companhia de uma personagem muito bem conseguida. Um faquir Ajatashatru Larash Patel, que, tendo feito carreira a enganar toda a gente, vai encetar a mais improvável das viagens. O enredo tem suficiente nonsense para acabar a fazer todo o sentido. Para além de situações cómicas (nunca chega à gargalhada é certo, mas mantém o leitor com um sorriso, o que não é menos fácil), o périplo da personagem principal até ao desfecho num final auto referente, lembra-nos algo de muito próximo e simultaneamente esquecido. A emigração, e seja ela motivada pelo seja, numa forma de contar uma história que nos prende, o autor, Romain Puértolas, compele-nos a refletir sobre os imensos dramas que a emigração dos muito pobres encerra. O contraponto entre o sucesso fácil e de quase geração espontânea de Ajatashatru, de que temos notícias similares de forma quotidiana, compara com a dor dos que nunca atingem. Dos que procuram sempre uma solução longe para poderem viver onde desejam, perto do seus e com condições dignas. Encontra-se nesta alegoria bem-disposta muito material para reflexão. Aqui não se brinca com coisas sérias, dizem-se coisas sérias de forma menos triste, o que é um mundo de diferença. Vou ficar a pensar mais em tráfico humano, em exploração, desencanto, desilusão e em o que quer que seja que faça com que se tente a sorte longe de outra forma. É claro que esta história é um conto de fadas moderno. Um conto de faquires. Mas a transformação de alguém que ilude e se transforma, porque chega a essa mesma conclusão. Que o iludir os outros é no fundo viver uma mentira, mostra-nos de maneira leve e imaginativa que o nosso destino, que talvez não inclua viagens em armários, malas Louis Vuitton, balões de ar quente e navios de tráfico, só nos leva a um ponto: nós mesmos. Diverti-me, e isso já não é pouco. Vale pelo que conta, não pelo que pesa. Uma história engraçada a fazer reter o nome do autor para próximas aventuras.

 

Boa Semana e Boas Leituras!!!

 

Na Mesinha De Cabeceira:
 
MONTEDOR de José Rentes de Carvalho (Quetzal)
O LEGADO DE HUMBOLDT de Saul Bellow (Quetzal)
AMORES E SAUDADES DE UM PORTUGUÊS ARRELIADO de Miguel Esteves Cardoso (Porto Editora)
PANICO NO SCALA de Dino Buzzati (Cavalo de Ferro)
TUDO O QUE SOBE DEVE CONVERGIR de Flannery O´Connor
VITORIA de Joseph Conrad (Ulisseia)
OS FACTOS de Philip Roth (D.Quixote)
A SOMBRA DA ROTA DA SEDA de Colin Thubron (Bertrand)
AS LUZES DE SETEMBRO de Carlos Ruiz Zafón (Planeta)
MAS É BONITO de Geoff Dyer (Quetzal)
VERDADE AO AMANHECER de Ernest Hemingway
MIRAGEM DE AMOR COM BANDA DE MUSICA de Hernán Rivera Letelier (Quetzal)
O JOGO DO MUNDO de Julio Cortázar (Cavalo de Ferro)
DIÁRIO PARA ELIZA de Lawrence Sterne (Antígona)
FUGAS de Alice Munro (Relógio D´Àgua)
DANUBIO de Claudio Magris (Quetzal)
OS ANEIS DE SATURNO de W.G.Sebald (Quetzal)
TELEFÉRICO DA PENHA (IMAGINÁRIO E REALIDADE) de Esser Jorge Silva (Edições Húmus)
LIBRA de Don DeLillo (Sextante Editora)
RELATÓRIO DO INTERIOR de Paul Auster (ASA)
ALFABETOS de Claudio Magris (Quetzal)
 

Sem comentários: