sábado, 8 de novembro de 2014

LOGICOMIX de Apostolos Doxiados e Christos H. Papadimitriou – Arte de Alecos Papdatos e Annie Di Donna (GRADIVA)


"Todas as verdades são fáceis de perceber depois de terem sido descobertas; o problema é descobri-las." Galileu



É a primeira vez que aqui se sugere a leitura de um livro do género “banda desenhada” ou, como se diz agora, numa adaptação do inglês, “novela gráfica”. A ideia que preside à feitura deste livro, a sua extraordinária qualidade gráfica e o profundo ritmo narrativo, só tem paralelo na sua missão. Tornar simples e inteligível, acessível ao leigo (o que é aqui claramente o caso), a batalha que na primeira metade do Séc. XX, matemáticos e filósofos combateram pela busca de de uma verdade lógica mais ou menos absoluta. Utilizando na maior parte da obra, uma palestra de Bertrand Russel como ponto de partida, e utilizando a sua própria história de vida como fio condutor, encontramos, de forma fiel e romanceada também encontros entre os maiores gigantes intelectuais que se debateram com a problemática da lógica no Século XX. Alfred Whitehead, Wittgenstein, John von Neumann, Alan Turing, Henri Poincaré, Giuseppe Peano, Leibniz, David Hilbert, Kurt Godel, Gottlob Frege, também incluindo clássicos como Euclides e Ésquilo, ainda Georg Cantor e George Boole, e recuando ainda até Aristóteles. De uma cadência e um colorido (de facto) especial e onde os próprios autores são retratados como parte do processo de criação do livro e personagens que o vão descodificando, aprendemos rudimentos de grandes formulações teóricas como os Algoritmos, Axiomas, o Calculo de Predicados, os “Fundamentos da Matemática”, o Intuicionismo, a Lógica (tema central a par da Verdade), o Paradoxo de Russell, os “Principia Mathematica”, a Prova, a Teoria da Incompletude, a Teoria dos Conjuntos, o “Tractatus Logico-Philosophicus” de Wittgenstein, acompanhamos o “Circulo de Viena” e várias das mais importantes manifestações individuais e coletivas do progresso do pensamento lógico. Há também, a correr ao lado da história principal um elemento escolhido pelos autores, que coloca, não poucas vezes o génio na fronteira da sanidade mental. O Génio no limite do Louco, tem aqui alguns exemplos dos custos pessoais que a busca pela Verdade e a batalha da Lógica provocaram. Um livro muito interessante. Com um tema talvez demasiado específico, mas que claramente cumpre o seu principal papel de nos despertar a curiosidade para aprofundar vida e obra de muitos dos homens que fundaram as bases onde hoje assenta grande parte da tecnologia moderna. E para abusar, é este livro, ele próprio um bom mapa ou algoritmo para potenciar essa sede de conhecimento. Gostei e recomendo.

:) Boa Semana e Boas Leituras!!!

Na Mesinha De Cabeceira:


MONTEDOR de José Rentes de Carvalho (Quetzal)
O LEGADO DE HUMBOLDT de Saul Bellow (Quetzal)
AMORES E SAUDADES DE UM PORTUGUÊS ARRELIADO de Miguel Esteves Cardoso (Porto Editora)
A INCRIVEL VIAGEM DE UM FAQUI QUE FIXOU FECHADO NUM ARMÁRIO IKEA de Romain Puértolas (Porto Editora)
PANICO NO SCALA de Dino Buzzati (Cavalo de Ferro)
TUDO O QUE SOBE DEVE CONVERGIR de Flannery O´Connor
VITORIA de Joseph Conrad (Ulisseia)
OS FACTOS de Philip Roth (D.Quixote)
A SOMBRA DA ROTA DA SEDA de Colin Thubron (Bertrand)
AS LUZES DE SETEMBRO de Carlos Ruiz Zafón (Planeta)
MAS É BONITO de Geoff Dyer (Quetzal)
VERDADE AO AMANHECER de Ernest Hemingway
MIRAGEM DE AMOR COM BANDA DE MUSICA de Hernán Rivera Letelier (Quetzal)
O JOGO DO MUNDO de Julio Cortázar (Cavalo de Ferro)
DIÁRIO PARA ELIZA de Lawrence Sterne (Antígona)
FUGAS de Alice Munro (Relógio D´Àgua)
DANUBIO de Claudio Magris (Quetzal)
OS ANEIS DE SATURNO de W.G.Sebald (Quetzal)
TELEFÉRICO DA PENHA (IMAGINÁRIO E REALIDADE) de Esser Jorge Silva (Edições Húmus)
LIBRA de Don DeLillo (Sextante Editora)
RELATÓRIO DO INTERIOR de Paul Auster (ASA)
ALFABETOS de Claudio Magris (Quetzal)


Sem comentários: