sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Guimarães no Século XX Vol. II de Raul Rocha (Povo de Guimarães)


"Não saber o que aconteceu antes do teu nascimento seria para ti a mesma coisa que permanecer criança para sempre” Cícero

Estou absolutamente certo de que me vão perdoar a sugestão despudoradamente “caseira”. Faço-o, a exemplo de todos os livros que aqui sugiro, única e exclusivamente pelo mérito da obra e pelo prazer que respetiva leitura me deu. É uma viagem ao coração dos acontecimentos mais ou menos públicos que formataram grande parte do século XX Vimaranense. Se as personagens, felizmente, em alguns casos me são familiares, o cenário é absolutamente o meu, ou melhor dito, o nosso. Tento desde há muitos anos acompanhar o que se vai publicando desde e sobre Guimarães e mesmo adquirir obras já mais antigas sobre tudo que se relacione com a nossa cidade. Será mais uma manifestação deste sentimento identitário por vezes exagerado, mas que a nós Vimaranenses nos une, sem necessidade de grandes e elaboradas explicações. Estive presente no lançamento público deste livro e foi com grande alegria que vi a enorme afluência de leitores a testemunhar de facto que há ainda muito interesse por tudo que seja a nossa história coletiva enquanto cidade. É um livro que se lê muito bem, escrito num registo não excessivamente factual e onde se nota muita proximidade entre aquilo que se relata e aquilo que se viveu (pelo menos a partir de certa altura, bem entendido). Ao explorar a vida pública da cidade no Século XX, (e o livro vai praticamente até à minha data de nascimento), dá-nos a medida do que foi sendo o sentimento da nossa gente, a sua postura e a convivência com os poderes mais ou menos centralizadores que, de certa forma ainda, comandam muito do que por cá se vai tentando fazer. A noção de quem foram sendo ao longo do período relatado, as elites locais e o seu afastamento ou proximidade do poder, revela-nos um filme que explica muitas das opções e realidades que hoje tomamos como adquiridas no nosso cenário. O autor, que dispensa certamente que lhe manifeste a minha consideração pessoal, mais do que isso tem a minha gratidão como leitor e vimaranense, e um pedido bastante enfático de que prossiga e nos traga mais Guimarães, seja nesta ou noutras dimensões da nossa caminhada coletiva. A todos a quem interesse a história das cidades, e não só aos nossos recomendo vivamente. Boa Semana e …. Boas Leituras!

Na Mesinha De Cabeceira:
Kyoto de Yasunary Kawabata (Dom Quixote)
Rever Portugal de Jorge de Sena (Guimarães)
Uma Mentira Mil Vezes Repetida de Manuel Jorge Marmelo (Quetzal)
O Homem Que Gostava de Cães de Leonardo Padura (Porto Editora)
O Ano do Dilúvio de Margaret Atwood (Bertrand)

Sem comentários: