quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

SE OS MORTOS NÃO RESSUSCITAM de Philip Kerr (Porto Editora)


“Todos os opressores… atribuem a frustração dos seus desejos à falta de rigor suficiente. Por isso eles redobram os esforços da sua impotente crueldade.” Edmund Burke


Uma vez mais regresso a um policial e um autor que já não lia há bastante tempo. Creio que o seu livro mais conhecido será “O Projeto Janus”, no entanto não foi por aí que vim a chegar aqui. Há dois livros mais antigos, de 1999 e 2001, respectivamente “A Vingança Serve-se Fria” e “O Segundo Anjo”, que me recordo ter lido com prazer na altura. O primeiro um thriller e o segundo um techno thriller futurista, ambos com bons enredos e boas personagens. Como Philip Kerr tem já bastante obra publicada e não sou conhecedor bastante desta, vou-me ficar pela sugestão desta sua última publicação. A obra, para não revelar demasiado, tem como cenários duas cidades que vivem ambas debaixo de regimes opressores e totalitários, Berlim nos anos 30, anos de afirmação do nacional-socialismo e da perseguição aos judeus e Habana com a subida ao poder do ditador Fulgêncio Batista. Bernie Gunther, a personagem principal, é um detective dotado de uma análise caústica a tudo o que o rodeia, num registo muito ao jeito de Chandler, com doses bem distribuídas de humor. A narrativa, também num tipo habitual em determinados autores do policial noir, é na primeira pessoa, o que também ajuda a dar um toque de romance ao melhor estilo Raymond Chandler ou Dashiel Hammett. Sobretudo a forma como Philip Kerr descreve os ambientes que envolvem a história, a excelente caracterização das personagens e um ritmo espectacular, tornam este num livro que não tenho a mais pequena dúvida em aconselhar. Claro está que a preferência por policiais fará aqui sempre o desempate. Para os aficionados do género é uma aposta segura, para quem ande à procura de outros territórios, pode sempre ler este livro numa perspectiva histórica que também não ficará desiludido com o nível de rigor e informação sobre a atmosfera dos tempos contados, quer para os anos 30 em Berlim, quer para os anos 50 em Cuba. Resumindo, um livro a ler e um autor a melhor conhecer. Aproveitem e Boas Leituras!!! J

Na Mesinha De Cabeceira:
PENA CAPITAL de Robert Wilson (D. Quixote)
ATÉ AO FIM 1944-1945 de Ian Kershaw (D. Quixote)
MIRAGEM DE AMOR COM BANDA DE MUSICA de Hernán Rivera Letelier(Quetzal)
A FABULA de William Faulkner (Casa das Letras)
A PIADA INFINITA de David Foster Wallace (Quetzal)
ARCO-IRIS DA GRAVIDADE  de Thomas Pynchon (Bertrand)
PELA ESTRADA FORA (O ROLO ORIGINAL) de Jack Kerouac (Relógio d´Água)



Sem comentários: