sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Estante 50 - Crónica de Uma Morte Anunciada de Gabriel Garcia Marquéz (D. Quixote)

“Se a morte fosse um bem, os deuses não seriam imortais” Safo

Peço antes de mais perdão pela troca do livro de que falarei esta semana. Penso no entanto que se justifica a alteração do titulo a sugerir, devido aos factos que certamente encontrarão explicados em outras análises feitas nesta edição do Jornal. Este pequeno/grande livro é uma obra-prima. Para ser sincero e focado no que realmente importante, a estória em si, não é fabulosa, é até uma estória simples. O que espanta é o conceito, e sobretudo tudo que lhe anda associado. A frase de abertura é um clássico (como aliás em quase todos os melhores livros de Gabriel Garcia Marquez, as frases de abertura são absolutamente marcantes) e todo o livro nos remete, atravez de Santiago Nassar, seu interprete e personagem maior, para a inevitabilidade da morte. Poderiamos aqui, como aliás seria fácil e até lógico a este respeito, fazer uma analogia entre as poucas horas de vida de Santiago, que está jurado de morte e finitude da vida em geral. Mas entendo que não é esse o meu papel nestas pequenas sugestões de leitura. O que se pretende aqui é estender um pouco o meu entusiasmo pessoal por algumas obras e autores e procurar, de uma forma mais ou menos descontraída partilhá-lo. Este livro, que é uma novela curta, por comparação com as obras de maior fôlego de Garcia Marquéz, sempre me pareceu, e essa sensação ainda se mantem, um excelente inicio para uma viagem à obra do autor. Isto para quem, por infelicidade ou simplesmente ter optado por outros caminhos literários, não conheça, o que, pelo menos para mim, é o maior expoente da corrente a que se convencionou chamar de “realismo mágico” e que brota sobretudo das mãos de autores sul-americanos. É uma sugestão que considero prioritária e, se me permitem, indispensável. Termino esta minha 50ª Sugestão de Leitura aqui no Povo de Guimarães, numa data em que a publicação deste semanário vai ser suspensa para se encontrar forma sustentada de manter no futuro, este titulo da Imprensa local e regional. Faço votos de sucesso a todos os que de uma outra forma se encontram ligados à resolução deste problema, para que se empenhem o máximo em não deixar terminar um projecto que ao longo de mais de três décadas me habituei a dar como adquirido no panorama da já se si riquissima (não em meios mas em pessoas) Imprensa Vimaranense. Aguardemos pois melhores notícias. No entretanto, Até Sempre e Boas leituras!

PARA A SEMANA: Continuaremos a ler...

Na Mesinha De Cabeceira:

Vício Intrínseco de Thomas Pynchon (Bertrand)

As Benevolentes de Jonathan Litell (D. QUIXOTE)

Peregrinação de Enmanuel Jhesus de Pedro Rosa Mendes (d. Quixote)

2 comentários:

Loulou de Lyon disse...

Já li. Gostei. Mas, do Sr. Gabriel, há melhores.

Ricardo disse...

Sem dúvida! Deixei esta sugestão esta semana, com alguma ironia, e mais ainda mais tristeza, por se aplicar à suspensão por tempo indeterminado do jornal O Povo de Guimarães, que, tendo sido publicado ininterruptamente nos ultimos 32 anos, parou a sua actividade em papel, por razões que reproduzo no editorial que está no blogue também.

E onde a "Estante Acidental" tinha a sua versão semanal impressa...

Quanto aos demais livros de Gabriel Garcia Marquez, já aqui na "Estante Acidental" tenho falado de alguns, dos quais gostei bem mais do que este.

Obrigado pela visita!!!!